Busca por estabelecimento:

Últimas Notícias

GERAL

 

Placa da Praça da Ponta da Ilhota sumiu

25 NOV 2020


Depois da limpeza realizada na Praça Ponta da Ilhota - no local onde antes se localizava o antigo Restaurante Ataliba -, em Coqueiros, a placa que identificava a área de lazer sumiu. Nos últimos dias, inclusive, a Folha de Coqueiros recebeu algumas fotos de usuários da praça apontando o abandono da placa, que estava jogada no meio do mato.

De acordo com uma moradora do entorno, a limpeza foi feita pela Prefeitura durante dois dias. Então, calcula-se, que deve ter sido recolhida ou pela Comcap ou pela Floram - Fundação Municipal do Meio Ambiente ou ainda pela Secretaria Municipal do Continente para futura colocação.

A Praça, conhecida popularmente como "praça dos amigos" ou "praça dos cachorros", foi inaugurada em junho de 2014 e até agora não possui um nome de forma legal. Proposta que já está sendo encaminhada à Câmara de Vereadores da Capital – pela Associação de Coqueiros - que inclui, também, a definição do nome.

Conheça um pouco da história

• A área inicialmente era utilizada para a reciclagem de lixo, sendo conhecida por muitos moradores como “lixão”. Apesar de pública (por ser domínio da União), era um espaço cercado, fechado com portão, por pessoas que se diziam donos e exploravam a atividade econômica da reciclagem.
• O movimento em favor da criação da praça surge em 2003, quando representantes da Pró-Coqueiros descobrem que a área era pública e estava sendo ocupada irregularmente.
• Em setembro de 2006, foi garantido o ingresso à ponta José Francisco. A Fundação Municipal do Meio Ambiente (Floram), com auxílio da Secretaria do Continente e Companhia de Melhoramentos da Capital (Comcap), realizou a limpeza do caminho, bem como a derrubada de duas casas, ocupadas por posseiros instalados no local. Com isso ficou assegurado o acesso dos pescadores ao atracadouro público.
• Na oportunidade, também ficou acertada a construção da praça, a partir de um Termo de Ajuste de Conduta que, na época, estava em andamento no Ministério Público Estadual, envolvendo a Floram e o empresário Adroaldo Cassol. Este se comprometeu a executar a praça, bem como a sua manutenção pelo prazo de 10 anos, como forma de compensação por ter construído um trapiche que prejudicou área de preservação.
• Todo o processo teve a participação da Secretaria do Patrimônio da União em Santa Catarina.
• Junho de 2014: o espaço é entregue à comunidade, com pracinha para as crianças, passeios e áreas de contemplação. Ainda faltavam, porém, algumas obras, como a colocação de iluminação pública, por exemplo.

Texto e foto da praça com Parquinho Infantil: Márcia Quartiero/junho de 2014.
Foto Placa: Janaína
Foto Geral da Praça : Luiza Felippo


Fotos